Extra – Entregas via drone: Um vídeo sobre o assunto

Olá

A postagem de hoje mostra um vídeo sobre os testes que a UPS está realizando com a utilização de drones para entregas em áreas rurais.

A drone-equipped UPS van, seen from above. (Photo: UPS)

A ideia é que os drones podem “encurtar” as distâncias e evitar que os veículos de entrega tenham que percorrer milhas e milhas por estradas vicinais para realizar apenas uma entrega, e depois voltar para a estrada principal. No projeto da UPS os drones percorrem automaticamente essas distâncias e encontram-se novamente com o veículo em um outro ponto do trajeto.

Bem interessante.
Se o vídeo não apareceu no espaço acima, veja o vídeo clicando aqui

Se gostou dê um “like” e indique para seus amigos.

Salve 2017 – ainda quase sem uso

Wow!  Estive fora do ar há um tempão!  Minha última postagem aqui no blog aconteceu no dia 30 de Novembro do ano passado, com a segunda parte do artigo sobre o uso de números aleatórios.
Dezembro foi um mês em que circunstancialmente estive bastante ocupado com o final do ano letivo e Janeiro foi um mês para desenvolver o “ócio criativo” durante as férias.

by Eliseeva Ekaterina in www.freeimages.com

Aproveitei para fotografar um pouco, para praticar um pouco de marcenaria, enfim deixar de respirar a poeira de armazém por um período.

E agora estamos de volta. Que todos vocês tenham um excelente 2017 com muitos novos desafios, mas também com muito riso e muitos novos amigos.

Nesta primeira postagem do ano quero falar um pouco sobre a formação complementar, aproveitando a pergunta que me foi feita por um aluno recentemente.

Pessoal:  Antes de sair gastando o suado dinheirão em MBAs e outras especializações com títulos cheios de charme e matrizes curriculares chamativas, e promessas de sucesso parecidas com as de propagandas de cigarro dos anos 1970, pensem um pouco no que realmente querem de suas carreiras.  Tenham calma para decidir a continuidade de suas vidas acadêmicas.

Analisem o que os programas estão lhes oferecendo e suas cargas horárias.  Recentemente eu vi um desses programas oferecendo quase 70 tópicos em sua matriz curricular a ser cumprida em cerca de 400 horas.  Na boa?  Especialização em que?
Muitos dos tópicos oferecidos pelos cursos que pesquisei oferecem o mesmo conteúdo ou muito pouco além do que foi aprendido, ou deveria ter sido, durante a graduação, a um custo altíssimo, sem contar o sacrifício pessoal e o tempo que será consumido.

Pensem também no seguinte: Por que vocês querem uma formação complementar? Se é porque não conseguiram obter o conhecimento necessário durante a graduação, então esse é o motivo errado.
Se querem alavancar os seus salários, procurem saber se, de fato, os cursos que pretendem serão capazes de oferecer isso.  E nesse ponto é muito importante analisar o renome da escola no mercado.

Talvez o melhor seja obter uma formação complementar em uma área afim (um conhecimento paralelo à sua formação principal), ao invés de manter a mesma linha formativa, mas de novo isso depende do rumo que se pretenda dar à carreira.

Não serei leviano a ponto de detonar todos os cursos que existem por aí como caça-níqueis. Mas que eles existem, existem!  Cuidado!

Portanto pessoal, escolham com critério.  E continuem adquirindo conhecimento de todas as fontes possíveis.  No mundo atual, com todas as facilidades trazidas pela internet, só não aprende uma coisa nova por dia quem realmente não quer.  Há cursos excelentes disponíveis gratuitamente.
Ah! Mas são em inglês!   De fato isso não é verdade, há muita coisa em português. Mas daí eu pergunto: Que diabos você fez até agora que ainda não aprendeu inglês???  Está esperando o que?

E para os que ainda não terminaram suas graduações, dediquem-se a ela como se fosse a última chance de aprender algo. Sabe aqueles canudos que vocês recebem na colação de grau?  Vou contar um segredo: Não tem nada dentro.  O único conhecimento que vocês levarão das suas graduações é aquele que ficou guardado no espaço entre a orelha esquerda e a orelha direita.

Façam o seguinte teste. Fechem os olhos, tapem o nariz e dêem um ligeiro “crock” na testa. Se o barulho fizer eco, então moçada eu lamento mas não lhes desejarei um bom 2017.

Veículo autônomo faz sua primeira entrega

Transcrevo aqui a notícia publicada por Barry Render em Jay, Barry & Chuck OM Blog, de onde também copiei a imagem que ilustra esta postagem.

Na semana passada, um caminhão autônomo pertencente à Uber fez a primeira entrega comercial de 2.000 caixas de cerveja Budweiser, em um percurso de 120 milhas, entre Fort Collins e Colorado Springs, no Estado norte americano do Colorado.

Por segurança, o veiculo contava com a presença de um motorista, que entretanto não precisou assumir o comando em nenhum momento.

Um executivo da Anheuser-Bush, proprietária da Budweiser, que entrega mais de um milhão de cargas rodoviárias de cerveja por ano, acredita que os veículos autônomos são o futuro.

No final, Barry deixa a seguinte questão: Qual a implicação disso para a indústria logística?

E você, o que acha disso?  Deixe seu comentário.

Feliz dia dos pais

A postagem desta semana é uma singela homenagem aos pais logísticos, dos mais simples auxiliares de movimentação, aos motoristas, pilotos, aeroviários, marinheiros, analistas e planejadores, aos altos executivos que planejam os mais complexos fluxos de bens e informações ao longo da cadeia de suprimentos.

Que a pressão do dia a dia, que os prazos curtos, as incertezas da demanda, as diferenças de estoque, as estradas ruins e a burocracia, não lhes tirem o sono e lhes permitam ter o tempo adequado para a convivência com seus filhos e para apreciar toda a alegria de suas descobertas.

Feliz dia dos pais!

photo by Simona Belint – freeimages.com

20 perguntas em uma entrevista de emprego. Você está preparado?

É comum que eu receba pedidos de conselhos sobre que armadilhas poderão estar ocultas nas perguntas feitas em uma entrevista de emprego.

A minha resposta é sempre: “Se você estiver preparado, você saberá que tipo de resposta o entrevistador espera de você. Desse modo, antes de mais nada, seja você mesmo”.

Quanto mais um candidato pretende “encarnar” um personagem, mais vulnerável ele se torna, visto que um entrevistador bem treinado poderá detectar os sinais que o seu corpo fornece involuntariamente, e mesmo as microexpressões, que contradizem mesmo a mentira mais bem contada.

Entretanto, sempre é bom estar preparado para perguntas desconcertantes, que aparentemente não tem nenhum ponto de contato com o tema da entrevista, mas que servirão para medir a sua flexibilidade, ou o modo como você encara reveses e imprevistos.

Você está preparado para responder questões como:

1. O que você come no café da manhã?
2. Qual era o seu apelido no colégio?
3. Qual foi seu primeiro trabalho?
4. Com que freqüência você se exercita?
5. Quem é (ou foi) seu mentor?
6. Quantas horas diárias você se dedica à leitura?
7. O que motiva você?  (pode ser profissionalmente ou pessoalmente)
8. O que é mais importante para você: A idéia ou a execução?
9. Qual foi o pior dia da sua vida?
10. Você reza (ou ora)?
11. Qual foi o seu maior engano?
12. De que você não poderia viver sem…?
13. Qual o seu jeito preferido de relaxar?
14. Qual a característica que você mais admira em seu chefe atual (ou ex chefe)?
15. O que é o sucesso pra você?
16. Qual foi o melhor conselho que você já ouviu?
17. Você acha importante fazer um curso de especialização e mestrado?
18. Se você pudesse ter qualquer outra profissão, o que gostaria de ser?
19. Do que você menos gosta no seu emprego atual (ou no seu último emprego)?
20. Se você pudesse ser alguém famoso, quem você gostaria de ser?
Pense bem!  Reflita sobre suas respostas!  Se você estivesse buscando um colaborador, que lhe desse as suas respostas, você o contrataria?

Ah se eu pudesse gerenciar minha operação como jogo um videogame!

 
Para gerenciar sua operação atual, eu imagino que você tenha que utilizar planilhas eletrônicas, relatórios sobre seus indicadores, gráficos históricos, bem como depender do conhecimento empírico dos seus colaboradores, com toda a carga de custos e frustrações por atrasos e erros que isso gera.
Um pouco sobre isso foi tratado na minha postagem sobre redução de custos operacionais
Imagine se você pudesse gerenciar o seu pátio de expedição do mesmo modo como joga um vídeo game? Você vê na sua tela todos os pedidos dos seus clientes que já estão na expedição, codificados por cores: verdes para as que já estão prontas para expedir, amarelas para as pendentes, e vermelhas para as que estão agendadas para amanhã.
Um clique do seu mouse sobre uma delas e uma telinha popup abre para que você veja os detalhes.
De repente, identificada pelo leitor de RFID do portão, aparece piscando na sua tela o ícone de uma carreta. E como o ícone está piscando você sabe que isso identifica a necessidade de manutenção.  Imediatamente você clica com seu mouse sobre a carreta e arrasta para sua oficina de manutenção. Automaticamente, esse seu ato gerou uma ordem para o motorista dizendo para onde ele deve levar o veículo, e ao mesmo tempo, já abriu uma ordem de serviços para sua equipe de manutenção, transmitida imediatamente.
Enquanto isso, um acúmulo anormal que está ocorrendo na doca nº4 gera um alerta para os expedidores, e a equipe mais próxima recebe um aviso para ajudar a limpar o gargalo. O relógio na sua tela informa que a carga dessa doca só estará disponível para carregamento em 20 minutos.
Você então avalia a situação, clica nos pedidos que estão prontos e arrasta-os para a doca nº2, mantendo tudo de acordo com a programação dos carregamentos.
Parece muito futurista?  Mas mesmo sem ter pensado nisso antes, você desejaria ter uma ferramenta tipo Video Game, que possibilitasse a você:
  • Otimizar de modo eficiente o fluxo de veículos (entrada e saída) em suas instalações;
  •  Gerenciar de modo intuitivo a manutenção corretiva e preventiva de seus ativos;
  • Gerenciar de modo eficaz os seus veículos e motoristas;
  • Coordenar as ações de movimentação e armazenagem, implementando a eficiência de suas instalações, de modo dinâmico
  •  Consolidar suas mercadorias nos locais mais efetivos para acesso;
  • Ter relatórios consolidados e em tempo real, na sua tela, incluindo inventários e outros indicadores
Então me responda: O que você está fazendo para “gameficar” a sua operação?  Seria muito legal ler seus comentários por aqui.
Tradução livre por Valter Mello.  O texto em itálico foram inclusões minhas ao texto original.
Visto na Manufacturing Business Technology de 26 de Outubro